Leo Indio e Chico Rodrigues. Foto: divulgação

Leonardo Rodrigues de Jesus, o Léo Índio, sobrinho do presidente Jair Bolsonaro (PL), foi exonerado do cargo de assessor da liderança do Partido Liberal (PL) no Senado. A demissão aconteceu depois que o site UOL revelou que ele não aparecia no Senado durante os horários de expediente.

O cargo de Léo no Senado era de auxiliar administrativo júnior, com salário de R$ 5.735,93. Ele estava lotado nessa função desde dezembro de 2021. Na página da transparência do Senado, a situação dele consta como “desligado”.
De acordo com a reportagem, Léo Índio frequentava pouco o Senado. No entanto, no breve período de trabalho, ele chegou a levar para sua mesa uma caneca com a inscrição “cloroquina”.
Leo Índio começou a trabalhar em Brasília após a eleição de Bolsonaro, em 2019, e foi assessor do senador Chico Rodrigues (DEM-RR) até o parlamentar ser flagrado com R$ 30 mil na cueca.

Antes, Carlos Bolsonaro, filho do presidente, tentou emplacar Léo no Planalto. A ideia era que ele ocupasse algum cargo na Secretaria de Governo da Presidência da República. No entanto, o sobrinho do presidente foi barrado pelo então ministro da pasta, o general da reserva Carlos Alberto dos Santos Cruz.

Deixe seu comentário

Please enter your comment!
Please enter your name here